Guia de Encontros

Os Portugueses aderem ao sexo online

Conscientes que em época de isolamento social não podem continuar a marcar encontros como antes faziam, os Portugueses mantêm as relações à distancia nos sites de encontros.

Mais pessoas nos sites

Como agora não é possível ir a eventos sociais, nem a bares, nem discotecas, os portugueses viraram-se para os encontros online. Podem conhecer pessoas na segurança das suas casas, conversar durante mais tempo e até mesmo com menos distrações.

...durante mais tempo

Todos os sites que contactámos confirmaram que, para além de mais pessoas, estas usam o site durante mais tempo – isso é particularmente verdade nos sites que disponibilizam conversas por webcam.

As pessoas não estão a marcar encontros frente a frente, preferindo conversar e conviver no site. “Provavelmente assim irá continuar até haver cura ou vacina comprovada contra a COVID19” – referiu-nos o responsável pelo Diabruras.

...e fazem sexo online

Uma vez que o contacto físico não é possível, muitos homens e mulheres optam por fazer sexo através da webcam.

“As pessoas usam o nosso webchat para sexo a dois à distância” - explicou-nos o HotCupid Portugal - “porque o nosso circuito é fechado e sem os riscos de segurança e violação de privacidade associados às plataformas abertas como o Zoom, o Skype ou o Messenger”.

...ou recorrem a “adult cams”

Muitas pessoas não conseguem o à vontade para ter sexo com outra pessoas que conhecem, mesmo que apenas online, por webcam. Por timidez ou o receio de “estragar tudo”, ou porque querem manter um nível de seriedade nessa relação, não conseguem ou não querem despir-se de roupa e preconceitos.

Assim, recorrem às “adult cams”, onde mulheres, homens e casais se exibem a atendem a pedidos de sexo por webcam.

“É uma forma de aliviar a tensão.” - explica-nos João, 28 anos (nome fictício), utilizador regular desses sites.

“Elas mulheres a fazem coisas que nunca teria coragem de pedir a uma amiga ou que se pedisse ela levaria a mal e acabaria tudo entre nós.” - diz António, 43 anos (nome fictício).

“As pessoas deixaram de ter tanto sexo como antes, e algumas delas estão sozinhas em casa durante este isolamento ou em casamentos onde o sexo acabou” - explica-nos a equipa do site XloveCam - “Esta é uma excelente alternativa à pornografia, que se torna demasiado previsível.”